Evandro e Claudia

Palácios de Neuschwanstein, Lindorf e Munique

Chegamos em Munique pouco depois do meio-dia, sob uma forte chuva.  Pegamos um trem até a região central e saíamos a procura de um lugar para ficar, ou melhor, o Evandro saiu, porque eu fiquei com as malas.

O Evandro voltou uns 40 minutos depois, molhado e frustrado pois não encontrara nada. Fomos então até um café próximo e conseguimos reservar um bom hotel pela internet.

 

Despedida da Senhora da Pensão ChristineNo sábado, 07, pegamos o carro alugado e deixamos Munique em direção a Fussen, paramos em “Bad Wörishofen”, onde depois de passar em alguns hotéis e pensões em busca de um lugar mais econômico para ficarmos encontramos a pensão “Kupersion Christine”. A nobre senhora que nos recebeu não falava inglês e nós não falamos alemão, então adivinhem, foi quase tudo na base dos gestos e “quase” entendimento.  Entretanto esse com certeza é um dos lugares que recomendamos a qualquer um que venha a essa região da Alemanha, fomos muito bem cuidados. O carinho e atenção foram algo inestimáveis.

 

Continue Lendo

Berlim - Os pedaços de um passado negro

Berlim não estava em nosso planejamento, mas foi a forma mais econômica que encontramos de deixar a Suécia. Não podemos dizer que a travessia entre Estocolmo e Berlin tenha sido das melhores, mas como tudo nesta aventura, encaramos como mais uma experiência que provavelmente não se repetirá.


O trem tinha um compartimento para dormir com 6 camas. Ficamos nas camas de cima e estava um calor enorme. Tudo piorou quando o trem entrou dentro do Ferry. Como não havia ventilação era impossível ficar lá. Subimos para o Ferry mas lá não havia nenhum lugar para dormir que já não estivesse ocupado. Tivemos que deitar no chão e tentar dormir um pouco. Resumindo: foi uma noite terrível!!

 

Continue Lendo

Baden-Baden, Mainz e Bonn

Chegamos em Baden-Baden no finalzinho da tarde e descobrimos que nosso hotel estava a 9km do centro da cidade. O hotel é entretanto muito bom e como estávamos de carro essa distância não nos atrapalhou.
Depois de descansar um pouco saímos para conhecer Baden-Baden o objetivo era encontrar torcedores alemães animados após a vitória Alemã sobre a Inglaterra, entretanto descobrimos que eles, pelo menos nas cidades pequenas, não são tão festeiros como nós brasileiros quando tudo é motivo de festa. Caminhamos pelas ruas de Baden-Baden tranquilamente.
O dia seguinte tiramos para um descanso e fomos a um parque termal em uma cidade próxima chamada Gagenau.
Na quarta-feira, 29/06 deixamos Baden – Baden após o café da manhã com destino a Mainz onde iríamos passar a noite, passamos no caminho por Heidelberg.
Em Heidelberg visitamos o Château que leva o nome da cidade. Tratam-se de um conjunto de ruínas de um primitivo castelo medieval situado em uma colina sobre o rio Neckar.  O castelo adquiriu a forma atual a partir de 1544 e serviu como residência dos Príncipes Eleitores até à guerra de sucessão no Palatinado, quando foi destruído pelos soldados de Luís XIV da França, entre 1689 e 1693. Depois disso veio a ser restaurado apenas parcialmente.
Em Mainz, durante a visita que fizemos pela cidade, descobrimos o museu de Johannes Gutenberg o inventor da prensa de tipos móveis. O museu é muito interessante. Ele trata de toda a evolução da impressão, deste os povos antigos orientais até a atualidade. Na parte dedicada a Gutenberg existem réplicas das prensas e também o original da Bíblia impressa pelo inventor. A produção desta Bíblia começou em 1450, tendo Gutenberg usado uma prensa de tipos móveis e calcula-se que tenha terminado em 1455. Esta é considerada o livro impresso mais importante, pois marca o início da produção em massa de livros no Ocidente. O exemplar que vimos possui 1282 páginas, com texto em duas colunas. Ficamos imaginando como foi trabalhoso montar todas as estas páginas letra a letra.
Prosseguindo nossa visita, fomos ao centro histórico de Mainz onde ficamos admirados com as casinhas típicas da região, aquelas com as tramas em madeira.
[PodCast]
Outra cidade visitada na Alemanha que nos chamou muita a atenção foi a cidade de Bonn. Cidade natal do famoso compositor Ludwig Van Beethoven.
Fomos ao museu do artista que fica ao lado da casa onde ele nasceu. Percebemos que a cidade explora bem o turismo baseado no ilustre compositor.
Em Bonn conhecemos um museu um pouco diferente. Trata-se do museu Arithmeum. Um museu de aritmética que busca mostrar que a ciência não é apenas fascinante e excitante ela é bela e pode ser muito prazerosa. O museu tem apenas 3 andares e é relativamente pequeno mas nós ficamos mais de 2 horas lá e se não tivéssemos outros lugares para visitar teríamos ficado mais. O que nos prendeu tanto a atenção é que podíamos interagir com vários objetos expostos. Algumas antigas máquinas de calcular eram verdadeiras obras de arte.
O museu cobre a história das máquinas de calcular até a fabricação dos modernos processadores e circuitos integrados atuais.
Além do museu também passeamos pela cidade e vimos novamente o aspecto da qualidade de vida dos Europeus. Impressionou-nos a praça em frente a universidade em que dezenas de estudantes estavam deitados na grama. Alguns dormindo, outros lendo, outros conversando.. um clima muito agradável por sinal. Saímos de lá com uma boa recordação deste modo de viver.

Estátua de Beethoven em BonnChegamos em Baden-Baden no finalzinho da tarde e descobrimos que nosso hotel estava a 9km do centro da cidade. O hotel é entretanto muito bom e como estávamos de carro essa distância não nos atrapalhou.
Depois de descansar um pouco saímos para conhecer Baden-Baden o objetivo era encontrar torcedores alemães animados após a vitória Alemã sobre a Inglaterra descobrimos que eles, pelo menos nas cidades pequenas, não são tão festeiros como nós brasileiros. Caminhamos pelas ruas de Baden-Baden tranquilamente.


O dia seguinte tiramos para um descanso e fomos a um parque termal em uma cidade próxima chamada Gagenau.

 

Na quarta-feira, 29/06 deixamos Baden – Baden após o café da manhã com destino a Mainz e passamos no caminho por Heidelberg. Em Heidelberg visitamos o Château que leva o nome da cidade. Tratam-se de um conjunto de ruínas de um primitivo castelo medieval situado em uma colina sobre o rio Neckar.  O castelo adquiriu a forma atual a partir de 1544 e serviu como residência dos Príncipes Eleitores até à guerra de sucessão no Palatinado, quando foi destruído pelos soldados de Luís XIV da França, entre 1689 e 1693. Depois disso veio a ser restaurado apenas parcialmente.

 

Continue Lendo

Floresta Negra - Lago Titisee, Triberg e Villigen

Apreciando o Lago Titisee.Acordamos e logo nos deliciamos com um saboroso café, no melhor sentido e olha que durante todo nosso tempo na França não tomamos nenhum no hotel nosso café da manhã era sempre comprado no supermercado no dia anterior...
Até omelete tivemos hoje e como estava incluso na diária do hotel aproveitamos ao máximo. De barriga cheia saímos em busca do lago Titisee a 32 km do nosso recanto...

A surpresa ao chegar foi muito boa, o povoado é charmoso e o lago muito bonito.
Lá encontramos novamente o que estamos elegendo como nosso almoço predileto na Alemanha: Salsicha...hehehe...

 

Continue Lendo

Alemanha - Um passeio pela Floresta Negra

Chegar na Alemanha não foi nada fácil. Havíamos olhado no mapa pela internet e nossa última cidade na França Mulhouse tinha uma posição estratégica bem próxima à fronteira com a Alemanha. Imaginamos que bastaria pegar um trem de Mulhouse-FR para Mühlen-AL e de lá pegar outro para Freiburg nosso destino.
Bom.. vejam agora como foi o nosso roteiro final:
• Mulhouse (França) para Basel (Suíça)
• Basel para Lörrach (Alemanha)
• Lörrach para Weil am Rhein
• Weil am Rhein para Freiburg
Chegando em Freiburg o nosso endereço era super fácil hehe vejam só: Bölzinger Straβe, 76 e sabíamos que ficava ha uns 6 km da estação de trem. Com grande dificuldade e depois de muito tentar a Cláudia entrou no supermercado e conseguiu com uma funcionária a indicação de qual condução pegar. Ainda tivemos que pegar um taxi do ponto final do Tram (Trem elétrico urbano) até o hotel. hehehe
Cansados da maratona do dia e com Freiburg em ritmo de mundial, ficamos no hotel assistindo ao jogo da Alemanha e Gana. Durante o jogo decidimos pedir uma pizza. Eu peguei os folhetos na recepção e pedimos pelo site: www.pizzaflyexpress.de e por incrível que pareça uns 30 min depois batia a porta do nosso quarto o entregador...
Pela manhã fui na Europcar pegar nosso carro e depois saímos para conhecer Friburgo,  perdidos pelas ruas do centro da cidade encontramos uma feira livre, onde paramos para nosso delicioso almoço.
Por toda Friburg existem esses canais de água  que visam permitir o escoamento das diversas nascentes que existem na região. Reza a lenda que quem molha o pé na água
casa-se com alguém da região. E olha que foi eu que pedi a Cláudia colocar o pé para tirar a foto... (hihi será que vou perder minha futura esposa?)
Ainda fomos até Feldberg atrás de um Teleférico que nos decepcionou muito, mas as lindas paisagens do caminho salvaram nosso final de tarde.
Nos despedimos de Freiburg logo pela manhã do dia 25/06 e fomos em busca de um teleférico do qual tínhamos visto em um folheto e que seria maior e com uma vista mais bonita do o que passamos ontem. Chegamos ao povoado de  Aiten e o local chama-se Belchenbah. Durante o caminho paramos para admirar a natureza. Foi o local onde fizemos o vídeo cast que vocês conferem a abaixo: [VIDEO]
Chegamos a Belchenbah e logo entramos no teleférico. Realmente a vista de lá é maravilhosa. Subimos numa colina e ficamos um bom tempo apenas admirando a paisagem. Acreditamos termos sido os únicos estrangeiros no local pois só haviam outros Alemães a maioria bem velhinhos mas com uma disposição e energia invejáveis.
Nosso objetivo era visitar o lago Titisee e depois ir para o hotel onde assistiríamos ao jogo do Brasil e Portugal pelo Mundial 2010, como já estava tarde resolvemos ir direto para o hotel. Mas a decepção de encontrar uma “enorme” televisão de 14” em nosso quarto fez com que fôssemos para o povoado mais próximo - Furtwagen. Lá encontramos uma simpática cozinha italiana do Sr. Roberto que nos recebeu muito bem e tinha uma TV de Plasma nos esperando. Aproveitamos e nos deliciamos com um ótimo macarrão a carbonara.
Voltamos depois do jogo para o hotel que é lindo e num lugar maravilhoso e tirarmos o resto do dia para descanso.

Tá perdido?Chegar na Alemanha não foi nada fácil. Havíamos olhado no mapa pela internet e nossa última cidade na França Mulhouse tinha uma posição estratégica bem próxima à fronteira com a Alemanha. Imaginamos que bastaria pegar um trem de Mulhouse-FR para Mühlen-AL e de lá pegar outro para Freiburg nosso destino. Bom.. vejam agora como foi o nosso roteiro final:

  • Mulhouse (França) para Basel (Suíça)
  • Basel para Lörrach (Alemanha)
  • Lörrach para Weil am Rhein
  • Weil am Rhein para Freiburg

Continue Lendo