Evandro e Claudia

Beijing - Parte 1 de 2

Interior do templo LamaChegamos a Beijing, atual capital do imenso território que conhecemos como República Popular da China, ou apenas China pouco após ao meio dia. Encontramos um país de constrates: de um lado uma economia em forte expansão e do outro um regime político socialista que tole a liberdade de acesso a informação com a censura à muitos sites da internet.

 

Iniciamos nossa visita pelo Templo Lama. Um dos mais importantes templos budistas tibetanos da China. Teve sua construção iniciada em 1694 durante a dinastia Qing, e serviu de residência imperial , mas em 1722 tornou-se um templo religioso.

 

Em seguida passamos por um pequeno parque que fica ao lado da cidade proíbida. É um lugar muito bonito e muito bem cuidado. Não dá nem para imaginar que estamos dentro de uma cidade de mais de 15 milhões de habitantes. É um lugar muito calmo e tranquilo. Vimos alguns chineses praticando ioga enquanto outros estavam tomando chá nos bancos e mesinhas espalhadas pelo local.

 

Palácio ImperialEntramos finalmente na famosa cidade proibida. Esta foi o palácio imperial da China desde meados da Dinastia Ming até ao fim da Dinastia Qing. Durante quase cinco séculos serviu como residência do Imperador e do seu pessoal doméstico, sendo o centro cerimonial e político do governo chinês. O nome "Cidade Proibida" surgiu porque somente o imperador, sua família e empregados especiais tinham a permissão para entrar no conjunto de prédios do palácio. Atualmente é um grande museu e um dos principais pontos turísticos da cidade.

O complexo é muito grande e está sempre cheio de turistas. O engraçado é ver o quanto os chineses ficam contentes e até emocionados em estar lá. Ah! Esquecemos de dizer que chegamos na China justamente 2 dias antes do feriado nacional deles. Em 2010 fez 61 anos que Mao Zedong, na Cidade Proibida, declarou o início da República Popular da China. E não é um feriado qualquer.. são 7 dias de feriado (De 1 a 7 de outubro. Neste período milhares de pessoas viajam pelo país. E na capital Beijing estão concentradas as principais festividades. Então nem precisamos dizer o quanto os locais turísticos estavam cheios!

Logo na saída da cidade proibida, vimos alguns soldados realizando o treinamento para o desfile militar oficial.

            

Na quinta-feira, 30 de semtembro pela manhã ficamos aguardando um ônibus que havíamos reservado no dia anterior para nos levar à muralha da china. Por algum motivo o mesmo não apareceu (ainda bem que o pagamento seria feito só no final do passeio), então decidimos ir por conta própria para lá. Havíamos visto na internet que bastaria ir na estação de metrô DongZhimen. De lá saia o ônibus 936 com destino à uma parte das muralhas chamada Mutianyu.

Muralhas da ChinaAntes de falar sobre nossa aventura vamos explicar sobre estas partes da muralha. As muralhas da China foram construídas por várias dinastias ao longo de cerca de dois milênios. Com o tempo alguns trechos foram se deterioriando e virando ruínas. Atualmente existem 3 partes, próximas a Beijing, que podem ser visitadas pelos turistas. A primeira é a Balading é a mais próxima e por isso é sempre lotada. A segunda é a de Mutianyu que fica a 2 horas de ônibus, tem boa estrutura turística e é menos visitada que a Balading. E a terceira parte que é a Simatai que fica a 3,5h de ônibus e não tem praticamente nenhuma estrutura, é para quem quer fazer escalada e trekking mais radical mesmo. Bom, escolhemos a opção 2 o trecho chamado Mutianyu.

Fomos até a estação DongZhimen e lá após mostrar um papel escrito com o número do ônibus para umas três pessoas conseguimos, através de gestos, é claro, encontrar o ponto de ônibus correto. Para nossa surpresa haviam 2 pontos com o número 936. Perguntamos na fila sobre as muralhas e ninguém sabia inglês, ninguém conseguia entender. Dá para acreditar? Escolhemos um dos pontos e aguardamos o ônibus. Então quando o ônibus chegou perguntamos ao motorista (mostrando o papelzinho) ele balbulcinou algumas coisas que não entendemos mas imaginamos que o ônibus não chegava lá. Seria preciso pegar outro ônibus ou algo parecido. Bom..decidimos ir mesmo assim. Quando a cobradora nos peguntou onde iríamos (em Chinês) mostramos o papelzinho e ela também falou um monte de coisa que não compreendemos. Aí uma garota, com uma boa alma e um inglês razoável conseguiu nos falar que o ônibus só ia até o ponto Huairou e que de lá seria preciso pegar um taxi. Ufa!! Pelo menos estávamos no caminho certo.

Parte da muralha bem íngremeChegamos então até Huairou e logo quando descemos uma pessoa que estava no ponto de ônibus perguntou em inglês se estávamos precisando de taxi. Mesmo desconfiados com a oferta seguimos até o carro dela. Negociamos o preço e partimos para as muralhas. Ainda bem que ela era realmente uma pessoa de boa fé e que cumpriu o prometido. Nem acreditamos mas conseguimos chegar nas muralhas. Fazendo parte do serviço ainda ela marcou um horário conosco para nos buscar e deixar no mesmo lugar em que descemos. Pronto! Fizemos um roteiro totalmente fora das agências de turismo tradicionais e ainda melhor, gastamos menos do que pagaríamos no tour de ônibus.

A visita às muralhas é muito legal. Você chega na verdade na base de uma grande colina. Lá em cima está uma parte das muralhas. Você compra o ticket e pode optar por subir a pé ou de teleférico. Não pensamos duas vezes e optamos pelo teleférico e além disso compramos também a volta pelo toboggan. É isso mesmo, você tem a oportunidade de descer a montanha em um carrinho parecido com aqueles antigos carrinhos de rolimã por um caminho todo feito de ferro.

Bom.. sobre as muralhas.. podemos dizer que a experiência é fantástica. Não estamos exagerando não. Antes pensávamos que poderíamos nos arrepender da visita, afinal é apenas um muro não é mesmo? Pois então, apesar de ser apenas um muro não é atoa que é considerada uma das maravilhas do mundo. Só de imaginar como foi construir os quase 7 kilômetros (existem divergências nos estudos alguns dizem 6,5 outros 8 km de extensão) já vale a pena a visita. Ficamos particulamente encabulados com a grande inclinação das escadas em alguns pontos. É praticamente subir a colina em linha reta.

 

Depois de algumas horas caminhando por lá. Voltamos ao mesmo ponto em que chegamos para a descida de Toboggan. Nossa, é uma experiência deliciosa. Nunca havíamos feito isso em toda a nossa viagem volta ao mundo. Infelizmente não conseguimos filmar a nossa descida mas nós registramos algumas fotos que dá para ter a idéia de como é.

Assim encerramos a nossa visita a esta grande construção feita pelo homem e que é um patrimônio da humanidade. Nosso retorno a Beijing foi tranquilo! Ainda passamos em shoppings, apenas para pesquisar os preços.

 

{sfx rss='http://picasaweb.google.com/data/feed/base/user/evandroeclaudia.com/albumid/5530625587743980017?alt=rss&kind=photo&hl=pt_BR'display='album'}

 

Link do Picasa: http://picasaweb.google.com/evandroeclaudia.com/BeijingParte12#

 

Informações Adicionais

Metro em Beijing

Andar de metrô em Beijing é sem dúvida nenhuma a melhor opção para se deslocar na grande cidade. Você paga apenas 2 yuans (aproximadamente 0,50 centavos de real em outubro de 2010) e anda pela cidade toda. Não existem zonas e nem tarifas diferenciadas de acordo com a distância.

Uma dica: Assim que chegar no Aeroporto tente trocar o dinheiro por notas pequenas ou moedas. As máquinas só aceitam notas de 10, 5 e 1 yuan. O trajeto do Aeroporto ao centro é o único que não custa 2 yuans. Pagamos 25 yuans cada.

 

Muralha de Mutianyu

Talvez não tenhamos feito o melhor caminho para lá mas foi bem em conta.

Nosso roteiro foi descrito no relato. Partida da estação de metro DongZhimen. Pegar o ônibus 936 até Huairou. Depois pegar um taxi. O valor do taxi não deve ultrapassar 50 yuans pois os chineses costumam pedir um valor alto no início e é preciso negociar bastante antes de entrar no Taxi.