Evandro e Claudia

Ainda Paris e o Palácio de Versailles

O terceiro dia em Paris começou com nossas tarefas rotineiras de mochileiros. Fomos lavar roupa naquelas máquinas automáticas. Após este serviço básico de viajante e com as roupas com cheirinho de amaciante partimos para mais visitas pela cidade.


Explanada dos InvalidesFomos à Esplanada dos Invalides e no Palácio de mesmo nome. No Palácio também funciona um museu de armas do exército francês. Nesse lugar, viviam os ex-combatentes de guerras e é lá que estão depositados os restos mortais de Napoleão Bonaparte. É muito interessante.
Depois nosso destino foi parar na estação de metrô Trocadero para ter outra vista da Torre Eiffel. Foi neste local que na noite do dia 14/07 saíam os fogos em comemoração ao feriado. De lá a Torre parece mais bonita e é onde a maioria das pessoas tira as fotos engraçadas com o monumento.

 


Ao final da tarde passamos ainda nos Jardins das Tulherias e nos Jardins do Louvre. O museu do Louvre é está localizado onde foi a sede do reinado Frances até 1682 quando o rei Luís XIV mudou para o Palácio de Versailles levando consigo toda a encenação governamental, aqui gravamos nosso vídeocast.

Por fim, encerramos o dia passando pelo Hôtel de Ville, que em Frances significa "câmara municipal" e é onde funciona a Prefeitura de Paris. Lá havia uma exposição de fotos com o tema: Amor em Paris. As fotos eram belíssimas. A maioria com temas de casamento das mais diversasHôtel du Ville religiões. Todas as fotos eram bem espontâneas em que todos estavam muito felizes.

Acordamos cedo em nosso último dia em Paris para visitarmos o Palácio de Versailles que fica a pouco mais de 30 minutos de trem do centro de Paris.
Quando chegamos a fila estava imensa, tanto para entrar quanto para comprar os ingressos. A Cláudia foi para a fila dos ingressos enquanto eu fiquei na fila para entrar.
Uma dica: Se for a Versailles, uma visita que vale muito a pena, chegue mais cedo. De preferência um pouco antes das 9:00h.

O palácio de Versailles é a maior obra de arquitetura do século XVII empreitada por Luis XIV. A Corte de Versalhes foi o centro do poder do Antigo Regime na França. Em 1660, de acordo com os poderes reais dos conselheiros que governaram a França durante a menoridade de Luís XIV, foi procurado um local próximo de Paris mas suficientemente afastado dos tumultos e doenças da cidade apinhada. O monarca queria um local onde pudesse organizar e controlar completamente um Governo da França por um governante absoluto. Resolveu assentar no pavilhão de caça de Versalhes, e ao longo das décadas seguintes expandiu-o até torná-lo no maior palácio do mundo. Versalhes é famoso não só pelo edifício, mas como símbolo da Monarquia absoluta, a qual Luís XIV sustentou.

A visita começou pelo palácio com suas enormes salas, antesalas e quartos. É só estando lá para descrever tamanha beleza dos móveis, pinturas e tapeçarias expostas. Mesmo sabendo que grande parte da mobília do Palácio foi saqueada durante a Revolução Francesa e que praticamente todas as obras de arte originais foram transferidas para Museus e outras instituições públicas francesas, nós ficamos impressionados com o que vimos.

Galeria dos EspelhosUma sala em especial é a Galeria dos Espelhos, um salão de baile espetacular, com 72 m de comprimento e 17 espelhos enormes em um de seus lados. Os cortesãos podiam se admirar nos espelhos enquanto dançavam. Os espelhos também eram projetados para refletir a pintura do teto, que ilustrava e homenageava os primeiros anos do reinado de Luís 14. Do outro lado da sala, uma fileira de janelas se abria para os enormes jardins e o pôr do sol.

Estima-se que mais de 30 mil homens trabalharam na construção de Versailles. A área total do complexo é de 8 quilômetros quadrados.  Podemos afirmar que é isso mesmo.. pois nós andamos muito.. mas muito mesmo por lá.

Podcast: {play}podcast/20100717_Versailles.mp3{/play}
Além do Palácio nossa visita incluía um passeio pelos Jardins e também por outros dois palácios que ficam dentro do Parque de Versailles, o Gran Trianon e o Petit Trianon. Este último fazia parte do que chamavam de domínios de Maria Antonieta.

Os domínios de Maria Antonieta ou, em francês, "domaine de Marie Antoinette" consistem num Palacete, o Petit Trianon, Jardins e pavilhão de festas exclusivos da Rainha Maria Antonieta. Embora dentro da área do Palácio de Versalhes, possui certa autonomia em relação ao restante conjunto. Foi construído para a Rainha e era ali que ela usufruía de privacidade.

Já o Grand Trianon foi construído em 1670, Luis XIV decidiu arrasar a aldeia de Trianon, a Noroeste do parque do Palácio de Versailles, para aí construir um edifício que lhe permitisse refugiar-se da Corte. O jardim oferecia bonitos canteiros de flores. Desde o início, o então rei consagrou este domínio aos seus amores com a Madame de Montespan.

Deixamos o Palácio ao final do dia, esgotados de tanto andar e também lotados de informação sobre a história do lugar e de seus habitantes. Ao voltarmos a Paris saímos novamente a noite para conhecer o famoso Moulin Rouge (Moinho Vermelho) que é um “cabaré” tradicional, construído no ano de 1889.  Está situado ao pé de MontMartre é um símbolo consagrado da noite parisiense. Não tivemos a coragem de pagar os módicos 150 euros cada para assistir ao espetáculo e com direito a um jantar e nem mesmo os 90 euros para assistir somente ao espetáculo e nos contentamos com a visão externa do lugar. A rua é bastante movimenta e possui diversas casas de show e dezenas de sex-shops, tudo aberto durante a noite.

Deixamos Paris na manhã de domingo 18/07 com uma sensação de que ainda havia o que visitar e partimos em nosso Fiat 500 para Tours no Vale do Loire.

 

{sfx rss='http://picasaweb.google.com.br/data/feed/base/user/fotosevandroeclaudia/albumid/5497044062560760433?alt=rss&kind=photo&hl=pt_BR'display='album'}

 

Link do Picasa: http://picasaweb.google.com.br/fotosevandroeclaudia/Paris_Versailles#