Evandro e Claudia

Carcassonne - Uma volta ao passado

Carcassonne – Uma volta ao passado e os primeiros passos na França

Cité de CarcassonneChegamos na França através de Narbonne no dia 15/06. Cansados de uma noite com poucas horas de sono e de 5 horas de ônibus cansativa, optamos pelo hotel mais próximo da estação de trem e descansamos durante o restante do dia.

Saímos para jantar e procurar algum bar onde pudéssemos assistir a estréia do Brasil na copa. É estranho, mas quase oito horas da noite e não encontramos lugares para jantar agradáveis. Após andar um pouco, passamos por um, como podemos chamar, não sei, é uma mistura de bar, mercearia, restaurante, e outras coisas mais (rsrs) [OBS: Infelizmente não tiramos uma foto]... mas tinha na porta uma TV 42 polegadas e iria transmitir ao jogo. Se pedíssemos pratos do menu não seria cobrada a taxa de 2 euros por pessoa para assistir ao jogo.


Com certa dificuldade, conseguimos pedir uma pizza e um macarrão a carbonara, que para nossa surpresa foi solicitada via telefone, 40 min depois chegou nossa comida. Assistimos a sem graça, mas vencedora, apresentação brasileira entre poucos franceses com os quais não conseguimos trocar duas palavras.

Pretendíamos ficar em Narbonne e fazer uma viagem de bate e volta a Carcassone, mas para nossa sorte fomos expulsos do hotel (O Sr. da recepção não era nada agradável e quando informamos que iríamos ficar uma noite a mais ele disse que o hotel estava lotado) o que nos obrigou a ir para Carcassonne no dia 16.

Decidimos fazer as coisas com mais calma e reservamos 2 noites no hotel em Carcassonne, o que foi muito bom.

Na tarde do dia 16 passeamos pela cidade e tivemos nossas primeiras dificuldades com o idioma. Primeiro mico: Fomos comprar uns postais e eu vi um imã de geladeira muito bonito. Mostrei para o atendente e ele entendeu que eu queria um. Logo ele pegou um igual, que estava bem embrulhado num papel bolha, (ótimo pra gente carregar na mochila). Aí ele falou alguma coisa, que é claro que não entendi nada, mas respondi “sim” e assim perdi o plástico bolha que protegia meu imã por um papel de presente muito feio.

Canal du midiNo dia seguinte iniciamos com um maravilhoso passeio pelo Canal do Midi. Esse canal foi construído no século XVII para permitir a ligação entre o mar mediterrâneo e o Oceano Atlântico e tem 240km de extensão. Foram 14 anos e 12 mil homens para a construção e possui uma engenharia fantástica. Tem lugares com 8 eclusas ou comporta (é uma obra de engenharia hidráulica que consiste numa construção que permite que barcos subam ou desçam os rios ou mares em locais onde há desníveis). Além disso, a água que mantém o canal sempre cheio vem de um lago construído com águas das nascentes da Montanha Negra.

Podcast: {play}podcast/20100617_Carcassonne.mp3{/play}


No almoço, ah, foi muito divertido, sentamos no restaurante e Evandro pediu o cardápio ao garçom e o mesmo perguntou “Manger?”. O E pensou que ele estava perguntando sobre se queríamos alguma entrada e então respondeu “não” e adivinhem? Ele apenas perguntava se queríamos comer e assim trazer o cardápio correto (rsrs). Parece que estamos naquelas cabines de programa de televisão sem escutar nada e o apresentador pergunta alguma coisa e nós respondemos sim ou não sem saber ao que... Mas o importante é que estamos nos virando, compramos guarda-chuva, adaptador para energia e colocamos os postais no correio...

Na seqüência nos dirigimos a Cité de Carcassonne onde podemos dizer que o tempo parou. Dentro dos muros esta pequena cidade parece ainda estar na era medieval. O Castelo é realmente inspirador e lembra o palácio do clássico A Bela Adormecida. A cidade possui uma catedral que foi a catedral de Carcassonne por muitos anos.

Cláudia nas ruas do castelo de CarcassonneSão vinte séculos de história que permeiam pela Cidade Medieval de Carcassonne. Os traços mais antigos remontam o século VI antes de Jesus Cristo. Está pequena cidadela teve papel de destaque enquanto estava na fronteira com a Espanha, entretanto quando em 1659 se estabelece a Paz dos Pirineos e se altera a fronteira franco-espanhola a cidade entra em decaída. Com o tempo passa a desenvolver-se a sua volta uma nova cidade fora dos muros, o que faz com que a Cité seja praticamente abandonada.

No século XVIII é iniciado todo um processo de restauração que devolve à cidadela suas características tornando-a mais turística.

Atualmente muitas das casas foram convertidas em restaurantes e lojas voltadas ao turismo, mas ainda há muitos habitantes que vivem realmente lá.

É fantástico andar pelas ruas, perder-se pela cidade, caminhar pela muralha interna, isso mesmo, este povoado possui duas muralhas, e respirar o ar deste lugar. É possível imaginar o tempo dos reis e rainhas, das carruagens pelas pequenas ruelas, ah, é indescritível tem que estar lá para sentir.

Ah.. visitamos também um museu de objetos de tortura utilizados no tempo da inquisição. Ficamos chocados. Não imaginávamos que existiam tantos instrumentos com esse fim. Infelizmente o museu é pequeno e mal cuidado. Não vale a pena pelo valor pago (7 euros por pessoa).  

Ao final do dia voltamos para o hotel e logo na manhã seguinte partimos para Nimês.

 

{sfx rss='http://picasaweb.google.com.br/data/feed/base/user/fotosevandroeclaudia/albumid/5485641267140212417?alt=rss&kind=photo&hl=pt_BR'display='album'}

 

Link para o Picasa: http://picasaweb.google.com.br/fotosevandroeclaudia/Carcassonne#